O Adulto - Gillian Flynn

quarta-feira, 7 de setembro de 2016
Ano: 2016
Páginas: 64
Editora: Intrínseca


Sinopse: Vencedor de um Edgar Award, O adulto, de Gillian Flynn é uma homenagem às clássicas histórias de terror.Uma jovem ganha a vida praticando pequenas fraudes. Seu principal talento é a capacidade de dizer às pessoas exatamente o que elas querem ouvir, e sua mais recente ocupação consiste em se passar por vidente, oferecendo o serviço de leitura de aura para donas de casa ricas e tristes. 
Certo dia, ela atende Susan Burkes, que se mudou há pouco tempo para a cidade com o marido, o filho pequeno e o enteado adolescente. Experiente observadora do comportamento humano, a falsa sensitiva logo enxerga em Susan uma mulher desesperada por injetar um pouco de emoção em sua vida monótona e planeja tirar vantagem da situação. 
No entanto, quando visita a impressionante mansão dos Burke, que Susan acredita ser a causa de seus problemas, e se depara com acontecimentos aterrorizantes, a jovem se convence de que há algo tenebroso à espreita. Agora, ela precisa descobrir onde o mal se esconde, e como escapar dele. Se é que há alguma chance.


Como fazer uma resenha de uma coisa que não tem explicação? haha

Essa foi minha primeira leitura dos livros que comprei na Bienal e não me arrependo de ter gastado o que gastei nesse conto. Ainda mais porque minha expectativa estava alta, já que a moça que me vendeu o livro disse que eu iria amar! Claro, depois de eu ter contado que já havia lido todos os livros da Gillian e que tinha amado todos. Então, não sobrou muita dúvida haha E nunca vou me esquecer dela falando “ah, vamos combinar, esse livro você lê em uma sentada, né?!” hahahaha E ela tinha razão!



Pouquíssimas páginas foram publicadas para me fazer amar e odiar Gillian Flynn. Não precisei de muito para querer dar uns tapas na cara dela e obrigar que ela continuasse o conto e o transformasse em um livro sensacional. Porque é isso que esse conto é: sensacional. Fazia tempo que eu não lia um e desacostumei com a quantidade de páginas, afinal, você dá um espirro e o conto acabou haha Mas me deixa explicar um pouquinho, bem pouquinho pra vocês...

O conto é sobre uma mulher que teve uma infância difícil e uma vida adulta pior ainda. Já pediu dinheiro na rua e aprendeu com quais pessoas ela pode mexer. Quem vai dar dinheiro e quem não vai. Quem precisa ouvir uma história de vida triste ou quem só quer que você saia dali o mais rápido possível. Essa foi a sua vida até que encontrou um novo emprego: ela bate punheta para homens. Simples assim. Não poderia ser mais fácil. O único problema é que, agora, na casa dos 30 anos, ela começou a ter muitas dores no pulso e, por isso, muda de ramo.


No mesmo lugar em que existe um quartinho nos fundos, para que um homem seja aliviado, na parte da frente existem mulheres que trabalham como videntes e que podem ler suas auras. E é nessa parte do estabelecimento em que ela começa a trabalhar. Claro, mantém alguns de seus clientes mais fiéis, mas por causa das dores, largou a maior parte deles.

Tudo corre perfeitamente bem nesse novo ramo, até que ela conhece Susan. Uma cliente que precisa de ajuda e que não é como as outras. Ela diz que seu enteado a está preocupando. Que sua casa parece ter energia negativa. Alguma coisa muito ruim pode acontecer lá. Sangue escorrendo pela parede e luzes que se apagam durante o dia... A mulher vê uma oportunidade de poder arrancar um pouco mais de dinheiro e aceita ajudar a cliente. Mas ela não esperava encontrar tantas coisas estranhas naquela casa. Principalmente um garoto tão perturbado...

Posso ter contado demais, posso não ter contado nada. Tentei ao máximo deixar os detalhes de fora e espero que eu tenha conseguido. Agora, por favor, leiam esse conto. Estou pedindo com todo meu coração. Sério. Vale a pena e é um daqueles em que ficamos pensando um tempão depois que terminamos de ler, sabe?! Leiam!


Gillian Flynn me surpreendeu no final do conto. Foi tão bem escrito que em algumas partes, tive que voltar e ler novamente para eu me situar direito nos acontecimentos, já que entrei tanto na estória que pensava estar ficando louca junto com a personagem principal.

Esse é um daqueles contos que mexem com a sua cabeça e te fazer duvidar de tudo o que acontece nele. Você termina de ler os diálogos e logo pensa "será que isso é verdade?". E é isso que te prende, é isso que te faz amar o livro. Claro, o final pode te frustrar, pode te deixar louco da vida, mas era a intenção o tempo inteiro haha

Amei o detalhe de que ela não tem nome. Não tem uma aparência definida e mesmo assim ela conseguiu criar uma pessoa que foi muito bem montada em minha cabeça. Sensacional haha Só consigo dizer e pensar isso. Aliás, falei tanto e fiquei tão indignada com o conto que minha mãe acabou ficando curiosa e leu também. Ai ficamos nós duas indignadas e achando o máximo haha E, claro, reclamando que poderia virar um livro de 500 páginas hahahaha

Ah, e se você não gostou de eu falar que ela bate punheta para os homens, nem leia o conto! Afinal, a palavra punheta se repete diversas vezes, principalmente nas primeiras páginas... É punheta, punheta, punheta, punheta. Sacou? hahahaha

Espero que tenham gostado e que possam ter a oportunidade de ler, pois vale a pena! Não se esqueçam de me contar o que acharam, hein?! Beijinhos <3



Mari Zavisch
23 anos. Estudante de jornalismo, amante de livros e fotografia. Harlan Coben é meu amorzinho literário e me apaixono por qualquer personagem de livros ♥
1 Comentários | BLOGGER
Comentários | FACEBOOK

1 comentários:

  1. Oi, Mari!
    Menina, GRITEI com o trabalho da mulher! Socorro! hahhahahhhahahhahahaha
    Eu tenho um certo preconceito com a Gillian, mas por ser pequeno, vou dar uma chance.
    Beijos
    Balaio de Babados
    Participe da promoção de aniversário do Balaio de Babados e Postando Trechos
    Participe da promoção 1 Ano de Estilhaçando Livros

    ResponderExcluir

 
© Galáxia dos desejos, VERSION: 02 - BLUE FLOREST - janeiro/2016. Todos os direitos reservados.
Criado por: Dear Maidy
Tecnologia do Blogger.
imagem-logo